eventos e notícias

“Servir no fosso digital”: FMA nas Nações Unidas
Testemunho de uma religiosa católica sobre o papel da tecnologia digital nas desigualdades sociais

Paralelamente à 59ª Sessão da Comissão das Nações Unidas para o Desenvolvimento Social (CSocD 2021), a "Coalizão de Religiosos pela Justiça" (JCoR, em inglês) promoveu um evento, copatrocinado pela Representação Salesiana junto às Nações Unidas: “Servir no fosso digital: testemunho de uma religiosa católica sobre o papel da tecnologia digital nas desigualdades sociais”. O evento contou com a presença da Ir. Elena Saavedra, Salesiana das Filhas de Maria Auxiliadora (FMA), que apresentou o trabalho realizado pelas religiosas salesianas no Equador e na Colômbia durante a pandemia, para reduzir o "fosso digital" (a distância entre os que têm acesso e familiaridade com as tecnologias digitais e quem não as tem), proporcionando acesso à educação aos marginalizados por meio das tecnologias digitais.

 

A religiosa ilustrou o serviço prestado no Equador pelo Centro Educacional Padre José Vicente Rivadeneria, em favor de 171 estudantes indígenas da etnia shuar. Quando as aulas foram suspensas devido à pandemia no país, esses jovens voltaram para suas aldeias, que não dispõem de eletricidade ou rádio. Assim, quando a escola passou a transmitir as aulas pela Rádio Tiwinza, os alunos shuares ficaram de fora. Para eles, foi rapidamente providenciada a instalação de painéis solares nas 20 aldeias e vilas onde vivem, para que pudessem continuar os estudos. A manutenção dos equipamentos passou a ser uma responsabilidade compartilhada com a comunidade local.

 

Na Colômbia, o Instituto Educacional e Escola Normal Superior Nuestra Señora de Fátima beneficiou não somente os alunos, mas também pais e professores, por meio do fornecimento de equipamentos e conexão à Internet para acessar os conteúdos educativos oferecidos seja pelo governo, seja pela escola. O programa, realizado graças ao apoio do Departamento de Educação local, beneficiou cerca de 2.000 alunos e suas famílias.

 

O que motivou as religiosas nestas iniciativas, explica Ir. Saavedra, foi o lema muitas vezes repetido por Dom Bosco: “Um único fio posto em movimento se rompe facilmente. Muitos fios bem entrelaçados fazem uma corda que ninguém conseguirá partir”.

 

O evento, moderado pela Sra. Teresa Blumenstein, coordenadora do JCoR, também apresentou uma ampla gama de iniciativas empreendidas pelas Irmãs em muitos países, desde o Congo à Nigéria, desde a Zâmbia às Filipinas. Entre os 117 participantes on-line, estavam numerosos membros da Família Salesiana (FS), tais como: Ir. Jeannine, FMA, representante do VIDES; Pe. Timothy Zak, SDB, Inspetor dos Estados Unidos Leste-Canadá (SUE); Renato Cursi, Secretário Executivo da Don Bosco Internacional (DBI); Sr. Gunter Mayer, SDB, Representante dos salesianos na sede da ONU em Viena; Wojciech Erstwhile, Coordenador da Rede Dom Bosco; e o Pe. George Menamparampil, SDB, Coordenador do projeto "Don Bosco Solidarity–COVID-19" que, com seu banco de dados atualizados ajudaram a identificar os projetos das FMA, além do apoio de Lina Varon, da América Social Salesiana.

 

Fonte: ANS